Viagens para dentro Women on the move

Um manual para viajantes solo de primeira viagem

– Alerta! Tem lista no fim do post! – 

Hoje, quem me conhece sabe que já tive a oportunidade de viajar por uns lugares bem bacanas ao redor do mundo. A muitos deles, eu fui sozinha. E, por incrível que pareça, me diverti muito, sim! Obrigada.

Nossas primeiras memórias de viagens são aquelas com a família que te lembram do cheiro do bolo de chocolate da sua avó, do cheiro de protetor solar infantil que sua mãe te obrigava a usar, do banho de rio que você tomava com seu grupo de amigos, do seu pai te ensinando a pegar jacaré na praia. Ou seja, a viagem, como nós fomos apresentados, é uma atividade em grupo e que se deve fazer com os seres humanos que te mais fazem feliz.

Porém, numa certa época da nossa vida, aprendemos a necessidade de dedicar um tempo àquela pessoa que mais devemos amar e cuidar: nós mesmos.

É naquele período entre a infância e a vida adulta onde não dependemos de ninguém e ninguém depende de nós que devemos aproveitar e cultivar a nossa própria companhia. Há quem diga que é triste, que estar acompanhado é melhor. E há quem passe as oportunidades justamente pela falta da companhia. E assim se vai a oportunidade de ver aquele filme que você queria na telona, ou de ver o Ed Sheeran de pertinho, ou de ver seu time golear o adversário, ou de aproveitar sua folga no meio da semana na praia.

A ideia de que às vezes estamos sozinhos no mundo assusta tanto, que algumas pessoas preferem se esconder na sua zona de conforto para sempre do que tomar as medidas necessárias para realizar seus sonhos.

Chichén Itzá, México – 2013

Com o passar do tempo foi se tornando natural. Estar sozinha significava fazer as coisas que me agradavam sem depender da aprovação de alguém. Mas nunca tinha sentido a necessidade de viajar sozinha. Até que alguns anos atrás, combinei de viajar com um amigo que teve que cancelar depois de eu já ter fechado a viagem. Bateu um desespero porque eu nunca havia considerado viajar sozinha e meu primeiro pensamento foi: Eu PRECISO cancelar essa viagem AGORA.

Cheguei desesperada para falar com meu pai: “Como eu vou fazer essa viagem agora? Não vai dar mais para eu ir!”. E bem típico do meu pai a única frase possível saiu da boca dele: “Claro que dá. Eu já paguei. Você vai sozinha, fazer o que? Se vira.” Ele disse com aquele sorriso de canto de boca já prevendo que aquela seria uma ótima oportunidade para eu aprender algo novo. Grosso o suficiente para me fazer entender, confiante o suficiente para me mostrar que eu era capaz.

Minha viagem para Playa del Carmen durou pouquinho menos de um mês, mas o suficiente pra eu criar laços e admirar um grupo de mulheres que vinham de lugares tão diferentes e com histórias de vida impressionantes. Todas estavam ali sozinhas guiadas por alguma dose de coragem; estávamos ali para esquecer mágoas, para autoconhecimento e para criar histórias. Fomos sozinhas, mas não estávamos de fato sozinhas.

Isla Mujeres, México – 2013

Depois que você percebe que é capaz de fazer algo que não acreditou ser possível, você passa a querer fazer o tempo todo. Peguei o gosto!

Anos depois, fui morar na Inglaterra para fazer um período da faculdade. Pela primeira vez me deslumbrei com passagens aéreas mais baratas que o frescão que me levava pra casa no Brasil. Economizava a semana toda pra poder viajar no fim de semana. Não tem ninguém para ir junto? Mas a passagem tá 2 libras!! Não posso perder essa oportunidade. E lá vai ela sozinha! Nessa brincadeira, cheguei a ficar 2 meses viajando só caçando as passagens mais baratas que podia encontrar. Era meu sonho conhecer tudo aquilo. Eu podia. Eu não sabia quando teria essa oportunidade de novo. Por que diabos todo mundo acha que eu só posso ir se for alguém junto?

Cannes, França – 2014

Aquele verão foi o melhor da minha vida. Fiz amizades que levo até hoje. Teve amor de verão. Teve momentos solitários em que eu pude pensar no que queria pro futuro e quem eu queria ser como pessoa. Li livros, fui a restaurantes acompanhada de mim mesma, passei perrengue e vergonha sem ter ninguém pra presenciar, me perdi, perdi passagem, me encontrei.

Hoje, depois de ter descoberto a maravilha que é viajar sozinha, tento passar adiante o que aprendi até agora. Reuni nesse post algumas dicas para você que sempre pensou no assunto, mas ainda não tomou a iniciativa. É uma lista bem sincera do que esperar sobre esse tipo de viagem, mas não se assuste! Você é mais do que capaz! Espero que depois de ler se sinta mais confiante para, finalmente, comprar aquela passagem que tanto sonhou.

1- Descubra o que vai te tirar da zona de conforto
Comigo não foi uma decisão racional de ir viajar sozinha, mas você pode descobrir o que vai te fazer levantar da cadeira e reservar as passagens. Seja a vontade de realizar um sonho seu, seja a vontade de escapar das coisas que te irritam na sua rotina, seja aquele pé na bunda que te fez sofrer, seja a insatisfação com o trabalho. Ache aquilo que mais te incomoda atualmente e use como força para encarar essa jornada. Essa viagem vai te dar uma nova perspectiva e vai ser uma oportunidade de enxergar o mundo – o seu mundo, mas também o mundo lá fora – de outra forma.

2- Planeje uma viagem só sua com lugares e roteiros que nem todos topariam
Para ficar mais fácil, escolha uma viagem que você sempre quis fazer, mas nunca achou uma companhia. Esse ano cismei com a Albânia (procure fotos e verá que não sou tão louca assim) e decidi ir sozinha mesmo. Quando eu viajo em grupo, acabo tendo que ceder e ir a lugares que não me interessam tanto, mas quando se está só você pode absolutamente tudo! Não parece libertador? Então faça um roteiro incluindo as coisas que você sempre quis fazer, mas ninguém topou.

3- Escolha uma acomodação adequada ao seu tipo de viagem
Eu geralmente aconselho viajantes solo a ficarem em hostels porque é um ambiente muito bacana para fazer amizades. Você pode ficar em quartos privados em alguns hostels também, se for de sua preferência. No entanto, se sua viagem for focada em paz de espírito e um tempo só para você, escolha uma pousada ou hotel em que você só consiga escutar seus pensamentos. Pense que tipo de viagem você quer para não acabar frustrada com o ambiente da sua acomodação.

4- Planeje seus dias de viagem de acordo com seu ritmo 
Soneca no meio da tarde? Pode sim. Por que não? Um dia inteirinho de bobeira na rede lendo? Pode! Por que não? Fugir da maior atração turística da cidade? E daí? Passar um dia inteiro andando sem comer para economizar? Também pode! Comer fast food para não perder tempo? Você pode tudo! Descubra o seu ritmo e respeite suas vontades.

5- Esteja aberta a convites inesperados
Viaje à base do “Por que não?”. Tudo é mais intenso quando se viaja sozinho porque: a. você não sabe quando vai voltar naquele lugar de novo; b. não tem ninguém ali que vai te julgar. Abra sua cabeça e tope fazer coisas que você não tinha considerado antes. As pessoas, principalmente em hostels, vão te convidar pra cliff jumping, pra uma festa doida, pra sair num date, para visitar uma atração que não é tão conhecida, para alugar um carro e visitar uma cidade nova, para mudar seu roteiro e se juntar a um novo grupo. Respire fundo e pergunte a si mesmo: “Por que não?” Se não tiver nenhuma desculpa de verdade para sustentar sua resposta, então diga um “sim” e veja no que dá!

6- Dedique um tempo para lidar com a solidão
Viajar sozinho pode ser também muita agitação, principalmente quando você está hospedado em hostels de muita farra. Então tire um tempinho para abraçar a solidão porque você também precisa aprender a lidar com ela. Leia um livro num lugar silencioso, medite, caminhe sem hora para voltar. Tente ficar um dia sem conversar com ninguém e mergulhe nos seus próprios pensamentos. Não tente acobertar o fato de que está viajando sozinho sempre se cercando de pessoas novas. Você precisa cultivar a sua própria companhia.

7- Aprenda a registrar sua viagem sozinha ou com ajuda de estranhos
“Ah, mas como eu vou ter fotos das minhas viagens se eu for sozinha?”. Graças a Deus estamos em 2017! Esqueça a vergonha do pau de selfie e até da própria selfie. Seja cara de pau, peça para tirarem sua foto. Seja sincero quando não gostar e peça para tirar de outro ângulo. Explique o que você quer enquadrado na foto. Peça para outra pessoa. Peça para outra se a anterior não ficar boa. Não-tenha-vergonha!!!

8- Seja disciplinado porque você só pode contar consigo mesmo
Viajar sozinho pode ser muito libertador, mas também temos que ter em mente que só podemos depender de nós mesmos. Seja responsável e disciplinado! Pesquise, tenha os endereços em mãos, planeje-se para não perder o vôo, controle seus gastos. Não vai ter ninguém para resolver seus perrengues caso você seja negligente.

9- Às vezes o tédio vem e você tem que estar preparado!
Sempre carregue algo para te manter entretido. Estou falando do quão maravilhoso viajar sozinho é, mas não se engane! Às vezes o tédio bate forte! Então esteja preparado: carregue um livro, leve suas séries no celular, aprenda a contar fuscas azuis ou carneirinhos, fale sozinho. Ninguém disse que seria só maravilhas! Você tem que aprender a lidar com todas as faces de uma viagem sozinho.

10- Deixe alguém sempre à par de onde voce está
Por mais que você deva se desconectar do mundo e aprender a ficar sozinho, ninguém precisa sumir à la 124 horas (aquele filme que o James Franco fica preso no Grand Canyon e precisa amputar o próprio braço porque ele foi burro demais e não avisou ninguém onde ele estava). Compartilhe um plano de viagem com seus pais ou com um amigo de confiança. Não deixe ninguém morrendo de desespero em casa quando você tá se divertindo.

11- Evite situações em que esteja vulnerável e preze por sua segurança
Quando você viaja sozinha você tem que fazer o papel da sua mãe também. Apesar de eu te dar todas as dicas de como você deve dizer mais “sim” e como deve se aventurar mais, também prezo pela sua vida. Seja consciente e siga seus instintos. Se se sente desconfortável com a presença de alguém, evite. Se sente que você não deveria estar naquele lugar, não vá. Não use substâncias que você não sabe como seu corpo irá reagir se não tem ninguém de confiança junto. Não deixe suas coisas com alguém que mal conhece para ir ali rapidinho. Seja esperta/o. Divirta-se, mas sempre alerta!

12- Seja curioso!
Faça perguntas. “De onde você é? Me fale sobre seu país! Qual o seu presidente? Que música você escuta? Qual o seu maior sonho? Que memória da sua infância você guarda com carinho?” As pessoas gostam quando você está interessado em saber sobre elas. Então escute mais do que fale. Te garanto que vai se surpreender com a quantidade de gente incrível que tem pelo mundo. Todo mundo tem uma história pra contar.

13- Volte outra pessoa
Volte pra casa sabendo que você é outra pessoa, mas que tudo continua parecido. Não exija que ninguém compreenda completamente a experiência que você teve. Aproveite para olhar para as pessoas e as coisas ao seu redor com uma nova perspectiva. Seja compreensível. Entenda de onde cada um vem e porque estão ali. Se distancie e evite as coisas que te faziam mal. Seja grato pelo que te faz feliz. E, quando alguém apontar o dedo e disser que você mudou, responda: Ainda bem!

Mochilão Itália e Balkans 2017

4 thoughts on “Um manual para viajantes solo de primeira viagem”

    1. Muito legal expor sobre a sua experiência. O importante é ser feliz e realizar os seus sonhos e poder compartilhar suas emoções. Parabéns pela sua iniciativa.

      Jussara

Deixe uma resposta para Martha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *