Morar e estudar fora

Um guia para quem quer fazer pós-graduação no exterior

Desde setembro de 2016, estou cursando meu mestrado na Europa – o primeiro ano no Institute of Social Studies na Holanda e o segundo na University of York no Reino Unido -e recebo muitas perguntas de amigos e conhecidos sobre o processo. Já começo avisando: não tem mistério. Assim como tudo na vida, estudar fora do Brasil é PLANEJAMENTO.

Desde 2012 pesquiso diversos programas de mestrado fora do Brasil. Ter começado a pensar nisso tão cedo me ajudou, desde o início, a construir um currículo que atenda aos requisitos de um processo seletivo. É claro que mudei de ideia diversas vezes sobre o que cursar, mas fiz questão de estar preparada para o que viesse.

Não vai cair no seu colo, não vai ser rápido e não vai ser fácil. Porém, uma vez que você tem um objetivo, o caminho fica mais claro.

Nesse guia, tentei resumir todo o processo em 5 passos para ajudar quem ainda não sabe por onde começar. A boa notícia é que nunca é tarde demais para traçar seu futuro.

1- Pesquise! Pesquise! Pesquise!

  • Descubra se isso é mesmo pra você. Existem diferentes programas de pós-graduação (Mestrado, MBA, Phd, etc.) e todos eles vão exigir um esforço de você. Se você não gosta de estudar, é melhor repensar o plano. Se você tem interesse em dar aula em universidades no Brasil, também pense bem se estudar no exterior é a melhor opção: para esse propósito, você terá que validar seu diploma estrangeiro junto ao MEC, o que é mais uma burocracia para o futuro, mas não é nada impossível.
  • Ir a todas as feiras de intercâmbio geralmente é uma tarefa inútil. As perguntas durante as palestras costumam ser muito básicas do tipo: “Preciso falar inglês pra fazer mestrado na Inglaterra?”. Se você ainda está perdido, pode ser que elas te ajudem, mas depois de pesquisar bastante, acredito que podem se tornar repetitivas. A maior parte das informações está nos sites das universidades! Fuce todos os websites!
  • Não tenha medo de mandar e-mails para as Universidades! No entanto, não pergunte o óbvio. Eles não têm tempo e nem obrigação de responder o que já esta no site.
  • Não tenha medo de perguntar a pessoas que tenham feito o mesmo. Ser stalker low-profile é fundamental pra um bom networking. Sempre fique de olho no LinkedIn daqueles que tiveram um caminho profissional similar com o que vc quer traçar. Chame-os para um café, peça dicas e discuta seus objetivos. Mas mais uma vez: faça apenas perguntas para as quais você não ache as respostas online.

2- Trace um objetivo acadêmico/profissional.

  • Pós-graduação NÃO é desculpa pra fazer turismo! Escolha com cuidado o que vai estudar, veja se você tem o perfil do programa. Escolher Barcelona porque você gosta de festas ou o Havaí porque você gosta de surf não são motivos suficientes. Repense seus objetivos.
  • Tem interesse em continuar trabalhando no país em que vai fazer a pós? Procure saber se o país que esta escolhendo é um bom destino pra isso. Um país com alta taxa de desemprego, especialmente para jovens, pode não ser a escolha mais sábia.
  • Olhe os rankings de universidades e escolha um programa que seja reconhecido internacionalmente. Escolher “qualquer coisa” pode te atrapalhar depois quando você for procurar por emprego ou Phd. Aliás, quanto melhor o programa, melhor seu network profissional.
  • Quer emendar num doutorado? Procure uma universidade que tenha um programa de Phd onde voce possa extender a linha de pesquisa do seu mestrado.
  • Procure saber onde os autores/ professores que você admira o trabalho dão aula/ fazem pesquisa. Se relacionar bem com professores que têm interesses similares ao seus é essencial.

3- Planeje com antecedência.

  • Faça uma tabela no excel com os programas que te interessam, com as deadlines de application dos programas e das bolsas. (Sem esquecer que muitas vezes você tem que aplicar para o programa de mestrado e para a bolsa separadamente!) Muita gente perde application porque decide aplicar em cima da hora. As vagas não estão te esperando, são processos concorridos que te exigem disciplina. Se possível, comece a se planejar mais de um ano antes da data de começo do programa.
  • Tenha noção dos gastos que terá durante o programa. (Aluguel, visto, transporte, alimentação, seguro viagem, passagem). Escolha um programa/local onde você consiga se manter e/ou onde sua bolsa poderá te manter. Passar perrengue quando sua prioridade deveria ser estudar não é ideal.
  • Comece a economizar seu dinheiro! As bolsas pra mestrado não são muitas e os processos são muito concorridos. Por conta disso, você deve começar a economizar pra ontem! Não gaste dinheiro com o que não é sua prioridade. Consulte seu banco, cônjuge ou até mesmo seus pais para traçar uma estratégia financeira. Mesmo que você consiga uma bolsa integral, toda quantia que economizar será útil para seu período no exterior. Não desanime se for demorar a conseguir o dinheiro necessário. Pense que é o melhor investimento que você pode fazer.
  • Estude desde já a língua na qual seu programa será ensinado. Não é fácil ter que escrever artigos e assistir aulas em uma língua diferente, por mais que você já seja fluente. Esteja preparado!

4- Prepare a documentação.

  • Construa um CV forte que atenda os requisitos do programa que você deseja cursar. Querer um MBA em Business tendo apenas experiência em terceiro setor não vai te ajudar na seleção, por exemplo.
  • Faça tradução juramentada dos documentos pedidos. O histórico da faculdade, seu diploma e outros documentos importantes devem ser traduzidos por um tradutor oficial. É um processo demorado e caro! Faça o quanto antes para evitar muitos gastos de uma vez só.
  • Marque sua prova de proficiência da língua. Esse costuma ser o maior empecilho de quem está aplicando com pressa. Quando eu tentei marcar meu IELTS e TOEFL, só tinham datas para 6 meses depois. Apesar de a oferta ter aumentado, você sempre corre o risco de não conseguir fazer a prova logo. Ainda mais considerando que nem todas as cidades brasileiras têm local para realizar o exame. Se você mora no interior, pode ter que ir às grandes cidades realizar a prova. Depois, terá que esperar 13 dias pelo resultado online e mais algumas semanas pelo documento oficial. Algumas faculdades deixam você entregar o documento depois da deadline da application, mas não conte com isso.
  • Escreva uma carta de motivação específica pra cada programa que for aplicar. Não seja preguiçoso e faça uma única para diferentes universidades. Não tenha medo de pedir ajuda a amigos. Deixe claro seus objetivos e conte sobre sua trajetória acadêmica/profissional.
  • Peça cartas de recomendação a professores e chefes que apoiem seu desenvolvimento profissional/acadêmico. Mande um modelo de carta pra ajudá-los. Muitas dessas pessoas estão constantemente ocupadas e você não quer que eles escrevam uma carta impessoal. Mantenha contato com eles, pois alguns processos não dão a opção de fazer upload da carta no sistema online. Em alguns casos, eles entrarão em contato diretamente com a pessoa pra pedir uma referência sua.

5- Aja!

  • Essa é a primeira etapa do processo seletivo: os preguiçosos ficam no caminho. Muita gente chega até aqui, pesquisa tudo, e na hora de completar a application acaba deixando pra lá. Ou deixando para a última hora.
  • Não deixe as applications para depois. Elas demoram pra ser finalizadas! Faça com capricho!
  • Aplique pra todos os programas possíveis, é sempre bom ter opções. Dentro dos que você gostou, claro. E quantos o seu bolso permitir (tem sempre uma taxa de inscrição!).
  • Aplique o mais cedo possível pra evitar concorrência. Às vezes, eles te aceitam antes mesmo das inscrições se encerrarem.

Pode dar preguiça só de ler, mas eu garanto que a experiência é compensadora. Hoje, depois de muito sonhar com esse momento, sinto que estou no lugar certo. Estudei em duas universidades cujos alunos vêm de centenas de países diferentes, fazendo com que eu tenha contato com pessoas de muitos backgrounds diferentes. Ano passado consegui um estágio numa das maiores ONGs do mundo na minha área; esse ano, fui escolhida para ser Embaixadora dos alunos internacionais da Universidade de York. Para quem olha de fora, acha que tudo isso foi muito fácil de conseguir, ninguém imagina  que é fruto de muito planejamento, dedicação, pesquisa, estudo. A boa notícia é que, apesar de ser um processo longo, é MUITO possível. Acredite quando eu digo que todo o esforço valerá a pena.

 

Alguns links que podem ser úteis:

1 thought on “Um guia para quem quer fazer pós-graduação no exterior”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *